As consequências do abandono e uma linha de esperança

As consequências do abandono e uma linha de esperança

A adoção trouxe para o cãozinho Dior a possibilidade de superar os danos do abandono (Foto: Amanda Desireé)

O abandono de animais é problema de todos. Afinal, quem nunca se deparou com um cão perdido na rua, percorrendo os lixos em busca de alimento? Esta cena, comum em nosso cotidiano, representa perigos à saúde pública. Quando abandonados, sem os devidos cuidados, como vacinação e castração, os animais são expostos às doenças, que podem ser transmitidas tanto entre si, quanto para as pessoas.

Conforme o médico veterinário da Unesc Vilson Cardoso, os cães abandonados podem ser infectados com doenças fatais, como parvovirose, transmitida quando um animal inala ou ingere as fezes de outro cão doente, e cinomose, que atinge principalmente os filhotes, sendo transmitida pelo contato direto com animais infectados ou pelo ar contaminado. Para as pessoas, os animais transmitem doenças como sarna, micose e brucelose, que, em casos mais graves, podem afetar órgãos como o coração e o aparelho digestivo. A mais grave é a leishmaniose, que pode causar tumores e úlceras na região do aparelho respiratório.

Outro problema do abandono é a redução do tempo de vida dos animais, que varia de acordo com o peso de cada um. Um cão bem cuidado, com até 10kg, pode viver até 20 anos. De 10kg à 25 kg, a média é 14 anos. Acima de 25kg a estimativa é de 12 anos. “Para um cão de rua, normalmente, a expectativa de vida é a metade da normal”, explica o veterinário.

bf74b1d3-88f4-47ee-b298-08385eeb7dce

A história do cãozinho Dior

O cãozinho Dior enfrentou as dificuldades do abandono e ainda guarda marcas, que podem se tornar irreversíveis. Abandonado, com aproximadamente um ano de vida, estava com pulgas, carrapatos e uma pata virada quando foi encontrado, no final de 2014. Mas ele foi adotado pela estudante de Odontologia Tamiris Bonfim. Ela levou Dior a um veterinário, que disse que o cãozinho corre risco de ter que amputar a pata, pois não foi tratado na hora do machucado.

Apesar dos danos causados pelo abandono, Dior é bem cuidado por Tamiris e virou celebridade na cidade. Em 2015 ele concorreu ao prêmio Minha Foto é Animal, da Câmara de Vereadores de Criciúma, e foi premiado com o primeiro lugar na categoria Cães Adotados. Para a estudante, Dior é um cãozinho inteligente e carinhoso. “De todos os cachorros que eu tive, ele é o mais especial, não tem comparação”, disse.

A primeira edição do prêmio Minha Foto é Animal foi realizada em parceria com instituições como a Unesc. Entre a programação foram distribuídas cartilhas de conscientização e realizadas audiências públicas para debater o abandono e os maus tratos aos animais.

Maus tratos aos animais é crime

Pela Lei nº 9.605, a pena para quem maltrata os animais varia de três meses a um ano de detenção, além do pagamento de multa. Para lidar com o abandono no campus, a Unesc possui câmeras e vigilantes, que são instruídos a conversar com as pessoas e orientar sobre a importância de não abandonar animais.

A assessora da pró-reitoria de Administração e Finanças da Unesc, Christine Vieira, lembra que a primeira ação é conscientizar as pessoas. “Tem que ser feita toda uma mudança, com uma lei pública para isso, toda uma conscientização da população, que acaba comprando um animal e, depois, se dá muito trabalho, acaba abandonando”.

Mais informações/Entrevistas:

– Vilson Cardoso – (48)99849122

– Christine Vieira – (48)99743382

– Tamiris Bonfim – (48)99553969

Cordialmente,

Assessoria de Imprensa
Setor de Comunicação Integrada – Unesc
(48) 3431-2547

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *