Projeto para desenvolver alunos com altas habilidades e superdotação será implantado em Criciúma

Projeto para desenvolver alunos com altas habilidades e superdotação será implantado em Criciúma

unnamed (1)  unnamed

 A Agência de Desenvolvimento Regional de Criciúma recebeu nesta quinta-feira, 16, professores, gestores municipais de educação, diretores de ensino e outros profissionais da área no primeiro Encontro de Altas Habilidade/Superdotação. O evento promovido pela Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE), em parceria com a ADR foi o início do processo de desenvolvimento de alunos com alto rendimento escolar e habilidades intelectuais.

 A FCEE está implantando o projeto em 16 regiões do Estado neste ano e a ideia é que o programa atinja as todas as ADR’s. De acordo com o Diretor de Ensino, Pesquisa e Extensão da FCEE, Pedro de Souza, a legislação prevê um espaço adequado para alunos com superdotação e altas habilidades e a atenção para estes alunos precisa ser dada com mais importância. “A preocupação sempre foi o aluno com deficiência, mas o superdotado também requer atendimento especializado. Este perfil de aluno precisa ser trabalhado para que aplique suas habilidades no caminho certo e que este talento não seja desperdiçado”, explica.

 Durante o seminário, os professores e diretores das escolas pertencentes à ADR foram orientados a como identificar e avaliar os alunos com superdotação. Posteriormente o projeto entrará em uma segunda etapa, que é a educação especial para estes alunos. A Escola de Educação Básica Governador Heriberto Hulse, já demonstrou interesse e será a escola que vai receber a turma de alunos selecionados na região.

 Para o diretor da instituição, Sidnei Ferreira, o projeto é um desafio e a equipe está ansiosa para iniciar o processo. “Nós já temos em nossa escola o ensino médio inovador, estamos bem equipados com laboratórios de biologia, química, temos material tecnológico e espaço para receber estes alunos. Queremos participar ativamente desde projeto que será um marco na educação”, comenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *