Unesc utiliza peixes em pesquisas científicas

Unesc utiliza peixes em pesquisas científicas

Zebrafish possui características similares às dos mamíferos (Foto: Mayra Lima) 

Quando se fala em pesquisa científica, logo se pensa em camundongos e ratos participando de testes. E isso é natural, já que aproximadamente 95% dos estudos experimentais utilizam roedores. No entanto, nos últimos anos, os laboratórios vêm abrindo espaço para uso do zebrafish (peixe-zebra), que possui características similares as dos mamíferos. No Brasil, o modelo de pesquisa com este animal tem apenas 16 anos; já, na Unesc, foi implantado em 2015 para estudos sobre alcoolismo. 

A primeira menção ao zebrafish foi feita em 1981 pelo biólogo e professor da Universidade do Estado de Oregon, nos Estados Unidos, George Streisinger. Ele é considerado o introdutor do peixe na pesquisa, após perceber as vantagens do uso deste animal em estudos genéticos. O professor doutor Eduardo Pacheco Rico, do PPGCS (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Unesc), fez parte do grupo de pesquisadores que introduziram o peixe-zebra em estudos desenvolvidos no Brasil e, segundo ele, a área de neurociências foi a primeira a se valer do modelo. 

Rico explica que na Unesc os peixes são utilizados para avaliar o grau de toxicidade e os efeitos neurológicos e comportamentais do uso abusivo de álcool em diversas etapas da vida. “Conseguimos estudar as reações do álcool no organismo desde a fase embrionária, já que os ovos são transparentes”, comenta. Para isso, diferentes doses de fármacos (princípio ativo de substâncias) são colocadas na água dos tanques em que eles vivem.

Por serem de pequeno porte, os peixes exigem um espaço menor nos laboratórios de pesquisa e têm manutenção mais fácil. Segundo Rico, este animal tem uma elevada taxa de reprodução e já teve o seu genoma (conjunto de todos os genes) sequenciado, o que revelou uma semelhança com os mamíferos. No entanto, ele não tiraria o espaço dos roedores nas pesquisas. “O zebrafish é um modelo alternativo e complementar ao tradicional. Há pesquisas que são mais interessantes com o uso de roedores e outras com o peixe. Mas os dois modelos também podem ser utilizados para analisar diferentes pontos do mesmo estudo”, afirma. 

Destaque em pesquisa 

A pesquisa sobre alcoolismo com o peixe-zebra é coordenada por Rico e realizada com a participação de alunos do PPGCS e dos cursos de graduação em Biomedicina, Ciências Biológicas e Psicologia da Unesc. Ela é um exemplo do intercâmbio de conhecimento incentivado na Universidade por meio da pesquisa, do ensino e da extensão. E só neste tempo em que está sendo desenvolvida, a pesquisa já formou quatro mestrandos e tem a participação de seis alunos de iniciação científica entre bolsistas e voluntários. 

Segundo o pró-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unesc, Oscar Montedo, a pesquisa é uma das áreas de destaque. “A Instituição tem investido significativamente em pesquisa de alto nível para manter a excelência acadêmica de seus cursos. A pesquisa coordenada pelo professor Eduardo, alinhada com o que de mais moderno tem sido praticado no mundo, comprova isto”, afirma Montedo.

MILENA SPILERE NANDI

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *